/Vida de autores e dos indígenas inspira projetos de leitura nas escolas estaduais da Bahia

Vida de autores e dos indígenas inspira projetos de leitura nas escolas estaduais da Bahia

Um encontro com obras de Castro Alves, Jorge Amado e Vinícius de Moraes tem despertado o interesse pela leitura dos estudantes no Colégio Estadual Dalva Matos, no Subúrbio Ferroviário de Salvador. No município Potiraguá, na região centro sul, os alunos do Colégio Democrático Estadual Anísio Teixeira, o estímulo foi por meio do estudo da cultura dos povos indígenas. Nas duas unidades de ensino, o resultado dos projetos foi apresentado com distintas linguagens, envolvendo recital de poesia, teatro e música.

No projeto de leitura realizado de forma multidisciplinar no Colégio Estadual Dalva Matos, a leitura foi incentivada nos estudantes do 5° ao 3° ano do ensino médio, por meio do conhecimento das obras literárias dos autores baianos. Para isso, cada sala de aula passou a ser identificada com o nome do autor escolhido e os estudantes trabalharam com a biografia, poemas, histórias, além de produzirem murais e pinturas inspiradas nas obras.

A culminância do projeto foi marcada por roda de leitura, apresentação de teatro, dança e música. As atividades tiveram como base os projetos de arte e cultura desenvolvidos pela Secretaria da Educação do Estado como o Aventuras Patrimoniais e Artística (AVE), Dança Estudantil (Dance) e Encontro de Corais Estudantis (Encante). Ao longo do ano letivo será realizada a ‘hora da leitura’, em um horário determinado durante as aulas, quando os estudantes farão leituras das obras dos autores estudados.

Ilan Henrique Correia, 12 anos, do 6º ano, afirma estar encantado com as obras de Vinicius de Morais. “São poemas que falam de alegria e me inspiraram a ler mais poemas de outros escritores”. Para Aliane Novais, 16, do 2º ano, estudar sobre Castro Alves ampliou seus conhecimentos. “Descobri que ele retratava em seus textos e poema o tema da escravidão e usava isso para chamar a atenção da sociedade como uma forma de libertação”. Miqueas Cerqueira, 12, gosta de ler livros de ficção científica, mas agora passou a “interessar também por livros de poemas”.

O professor de Língua Portuguesa, Dimitri Sarmento, considera os projetos dentro da escola essenciais “porque os estudantes se integram à unidade escolar de forma que promovem as potencialidades individuais e coletivas. Além disso, desenvolvem o sentimento de pertencimento e o aprendizado de forma criativa com conteúdos associados à prática da leitura”.

No Colégio Democrático Estadual Anísio Teixeira, em Potiraguá, a culminância do projeto de leitura aproveitou o mês de abril, por comemorar o Dia do Índio (19), e teve com apresentações de dança, poemas e paródias relacionadas à cultura indígena. “Foi muito bom participar desse projeto porque pudemos aprender o significado de várias palavras de origem indígenas”, disse Rafaelly Ferreira, 16, do 3º ano do ensino médio. O estudante Esdras Peixoto, 15, do 1º ano, enfatizou que o tema trabalhado enriqueceu conhecimento da turma, “pois ficamos sabendo um pouco mais desta cultura rica”.

 

Fonte: Secretaria de Comunicação do Estado da Bahia