/Radialista e pastor faz alerta às autoridades sobre os festejos juninos diante dos perigos da contaminação da varíola dos macacos

Radialista e pastor faz alerta às autoridades sobre os festejos juninos diante dos perigos da contaminação da varíola dos macacos

Redação A Hora News

Legenda: Radialista e pastor Ildo Rafael está preocupado com os resultados das aglomerações | Foto: Divulgação

A América Latina registrou seu primeiro caso de varíola dos macacos, na Argentina, acendendo o alerta no Brasil para a identificação dos primeiros casos desta doença que é contagiosa.

Diante destes riscos, o radialista e pastor Ildo Rafael faz um apelo às autoridades para que elas façam um estudo sobre os 15 dias de festejos de São João que serão realizados em Maceió nas próximas semanas.

A festança, que custará cerca de R$ 6 milhões aos cofres públicos, vai gerar muita aglomeração na capital, podendo servir para contaminação da doença que já foi confirmada em 20 países com quase 400 casos.

“O Ministério Público de Alagoas deve definir se os festejos juninos da capital devem ou não acontecer”, disse Ildo Rafael. 

Na visão do radialista, outro motivo que pode justificar a não realização das festas é as chuvas que estão castigando as cidades do Estado.

Com várias festas com recursos estaduais marcadas para acontecer por Alagoas, Ildo Rafael entende que o valor pode ser aplicado na recuperação das cidades afetadas, além de contribuir para a não disseminação do vírus.

“A ideia é impedir que essa varíola faça tantas vítimas como foi com a Covid-19”, diz o radialista. 

 

Riscos da varíola no Brasil

Não é só o pastor alagoano que está preocupado com a chegada da varíola dos macacos no Brasil. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já emitiu um aviso orientando para a retomada do uso de máscaras de proteção, distanciamento e o uso de álcool em gel.

“Tais medidas não farmacológicas, como o distanciamento físico sempre que possível, o uso de máscaras de proteção e a higienização frequente das mãos, têm o condão de proteger o indivíduo e a coletividade não apenas contra a covid-19, mas também contra outras doenças”, declara a nota. A ideia da Anvisa é retardar o máximo possível a disseminação do vírus pelo Brasil. 

 

Sobre a varíola

Entre os sintomas da doença temos: febre, dor de cabeça, dor nas costas ou musculares, inflamações nos nódulos linfáticos, calafrio e exaustão. Os sinais também são de coceira que começa no rosto e se espalha pelo corpo, com a pele ficando com lesões que depois formam casquinhas.

A maioria das infecções são leves. Mas a doença pode ganhar formas mais graves. Crianças, grávidas e pessoas com baixa imunidade são grupo de risco.