/Programa para informatizar unidades de saúde no Brasil começa por Alagoas

Programa para informatizar unidades de saúde no Brasil começa por Alagoas

No lançamento, governador recebeu ministro da Saúde, que também anunciou liberação de R$ 26,8 milhões a 23 municípios do Estado

por Severino Carvalho – Agência Alagoas

Programa Conecte SUS foi lançado nesta segunda-feira (11), pelo ministro Luiz Henrique Mandetta, no Palácio República dos Palmares, onde foi recebido pelo governador Renan Filho – Foto: Márcio Ferreira

A melhoria dos indicadores da Atenção Primária, a exemplo da redução das taxas de mortalidade infantil e materna, além de uma das melhores coberturas de internet do país, fez com que o Ministério da Saúde escolhesse Alagoas para iniciar a implementação do Conecte SUS. O programa de informatização do governo federal para a saúde pública nacional foi lançado, nesta segunda-feira (11), pelo ministro da pasta, Luiz Henrique Mandetta, em solenidade realizada no Palácio República dos Palmares, onde foi recebido pelo governador Renan Filho.

“Vamos aprimorar ainda mais o nosso sistema para continuar reduzindo a mortalidade infantil e materna, fazendo o atendimento primário à população em todas as cidades de maneira eficiente”, afirmou o governador, Renan Filho, destacando a parceria firmada com o governo federal para melhorar o sistema de saúde pública nacional por meio do projeto-piloto lançado no estado.

“Alagoas vem demonstrando melhorias nos indicadores da Atenção Primária, o que nos faz acreditar que o momento é importante para que o Governo Federal se some (aos esforços) e possamos fazer aqui o início do prontuário eletrônico universal a todo o território nacional”, disse o ministro.

Segundo Mandetta, o programa vai integrar todas as informações de saúde do cidadão em uma grande rede de dados. Com isso, os profissionais de saúde e gestores terão mais eficiência no atendimento e continuidade ao cuidado do paciente em qualquer tempo e lugar. Alagoas é o estado-piloto para implementação do Conecte SUS, que começa com a adesão dos municípios para informatização das unidades de saúde da Atenção Primária.

Os recursos federais investidos para o auxílio à Informatização da Atenção Primária, como parte do desenvolvimento do Conecte SUS no projeto-piloto de Alagoas, será de R$ 21,1 milhões, sendo R$ 2,1 milhões em 2019 e R$ 18,9 milhões 2020. A escolha de Alagoas se deu em função de o território ter uma das melhores coberturas de internet do país. Outro fator levado em consideração foi a melhoria dos indicadores da Atenção Primária. A taxa de mortalidade materna, por exemplo, é a segunda menor do país.

Em março de 2020, começa a validação do modelo na rede de dados, a partir do monitoramento e avaliação dos processos. Em seguida, ocorrerá a expansão para os outros estados. “Nós temos, aproximadamente, 20% das unidades informatizadas e queremos chegar a um número próximo de 100% num intervalo de seis meses. O Conecte SUS vai possibilitar ao cidadão saber toda a sua trajetória no Sistema Único de Saúde, quais vacinas tomou, os atendimentos e exames realizados”, acrescentou o ministro.

O governador aproveitou a passagem do ministro por Maceió para convidá-lo a conhecer as instalações do Hospital da Mulher, no bairro do Poço, entregue à população em setembro passado. Segundo Renan Filho, o ministro demonstrou interesse em colaborar financeiramente com o custeio do equipamento de saúde, construído e mantido integralmente pelo Governo do Estado.

“O ministro Mandetta está querendo colaborar para que o projeto de maior investimento em saúde pública da nossa história conte com o apoio do governo federal, porque isso é fundamental para o povo alagoano”, revelou Renan Filho, citando a construção de outros quatro hospitais, o Metropolitano, em Maceió, e três regionais, no interior do Estado.

Investimento

A solenidade realizada no auditório Aqualtune reuniu secretários de Estado, prefeitos, deputados estaduais e federais. A cerimônia também marcou o anúncio do repasse de R$ 26,8 milhões para Alagoas, que serão investidos em 23 municípios do estado. Segundo o ministro, os recursos vão possibilitar a ampliação da oferta de serviços na rede hospitalar de urgência e emergência, como a realização de cirurgias, exames, atendimentos, habilitação de leitos, dentre outros serviços.