/Bolívia: 100 pastores morreram vítimas do coronavírus enquanto ajudavam pessoas

Bolívia: 100 pastores morreram vítimas do coronavírus enquanto ajudavam pessoas

Redação A Hora News

Legenda: Ajuda humanitária distribuída por uma organização cristã em uma área rural da Bolívia, maio de 2020 Foto: MedFund Bolivia

Segundo o Conselho Nacional Cristão da Bolívia (CNCB) e a Associação de Igrejas Cristãs da cidade de Santa Cruz, pelo menos 100 pastores morreram de covid-19 naquele país.

Os religiosos ajudavam suas comunidades que sofrem com toda a devastação que o novo coronavírus tem gerado não apenas na Bolívia, mas em todo o mundo.

“Temos um relatório sobre cerca de 40 pastores na região leste e cerca de 60 na região oeste que morreram [devido a Covid-19]”, disse o pastor Luis Aruquipa Carlo, presidente do CNCB.

A informação foi compartilhada pelo Evangelical Focus, dizendo que há muitos líderes cristãos lutando pela vida nos hospitais daquele país.

Segundo Belfort Githire, que é vice-presidente da Associação de Igrejas Cristãs da cidade de Santa Cruz, essas contaminações ocorreram durante os trabalhos de assistência “ao ajudar pessoas que não podiam fazer compras, coletar alimentos e ajudando a fornecer ‘panelas comuns'”.

Mesmo tomando as devidas precauções, não foi possível se livrar da doença, pois a imunidade desses pastores eram baixas e alguns já tinham doenças pré-existentes que comprometiam a reabilitação como a diabetes, doença de chagas e outras.

Os evangélicos de La Paz estão colaborando ativamente com o governo nessa situação tão difícil, e continuam com seu ofício servindo à comunidade. Inclusive, eles têm oferecido a estrutura de suas igrejas para socorrer os infectados, uma vez que os hospitais se encontram sobrecarregados.

Apesar das mortes os cristãos estão dispostos a continuarem servindo de apoio para a sociedade. “E vamos continuar pregando nas comunidades, nas ruas. Nós vamos continuar visitando os doentes, aqueles que estão privados de liberdade, e vamos fazer isso seguindo as medidas de segurança”, diz Gilthire.